25 de fevereiro de 2017

Anel DeMolay Medieval - FA054


Anel DeMolay Medieval - FA054


Significado do Anel Demolay: 

A Ordem DeMolay é uma sociedade discreta de princípios filosóficos, fraternais, iniciáticos e filantrópicos, para jovens do sexo masculino com idade compreendida entre os 12 e os 21 anos. É uma organização para-maçonica fundada nos Estados Unidos, em 18 de Março de 1919, pelo maçom Frank Sherman Landpatrocinada e mantida pela Maçonaria[carece de fontes], oficialmente desde 1921, que na maioria dos casos cede espaço para as reuniões dos Capítulos DeMolays e Priorados da Ordem da Cavalaria - denominações das células da organização. São 7 preceptores, uma tríade, e outros cargos.

No dia 8 de abril de 2008, o Estado de São Paulo estabeleceu o Dia do DeMolay, através da Lei Estadual nº 12.905, a ser comemorado anualmente no dia 24 de março (um fato que deve ser levado em consideração é que embora a Ordem DeMolay tenha sido criada no dia 18 de março de 1919, a sua comemoração é feita seis [06] dias depois, afim de que a data possa coincidir com o martírio de Jacques de Molay). Em 19 de janeiro de 2010, foi promulgada a Lei Federal nº 12.208 que insituiu o dia 24 de março como o Dia Nacional do DeMolay, seguindo o exemplo paulista, sendo que a escolha da data marca o falecimento de Jacques de Molay, herói e mártir que inspirou o nome da Ordem. 


TFA

Anel Maçônico Grau 33 - FAM043



O ANEL DE PRATA DO GRAU 33


Todos sabem que o anel do grau 33 deve ser de ouro. No entanto, esse objeto de desejo de tantos maçons não é cobiçado pelo valor de seu metal, e sim pela dignidade que ele representa. Se no Brasil, um maçom deve dedicar algo em torno de 6 a 10 anos para alcançar o 33º grau (a não ser que ganhe acesso ao restrito Elevador de Jacó), tempo esse que serviu de inspiração para o termo “faculdade de Maçonaria”, nos EUA muitos são os que falecem no 32º grau ou, no máximo, no 32,5º, o KCCH.
.
Porém, um maçom dos EUA resolveu quebrar essa “regra de ouro”. Ninguém menos do que Frank Sherman Land, o fundador da Ordem DeMolay, quando investido no grau 33, em 1925, adotando um anel de prata, em vez de ouro. Essa iniciativa lhe trouxe muita dor de cabeça na época, que foi diminuindo com o tempo e sua projeção como um dos mais importantes maçons de todos os tempos.
.
A polêmica do anel de prata já havia desaparecido quando, em 1945, seu grande amigo, conterrâneo e Presidente, Harry Truman, também foi investido no grau 33. Muitos foram os que relataram ter visto o Presidente Truman, em algumas ocasiões, ostentando também um anel de prata do grau 33. Alguns acreditaram que ele estava utilizando o próprio anel de Frank Sherman Land. .

O anel de Frank S. Land é mantido em exposição, junto de outros pertences maçônicos, desde seu falecimento, e o uso do mesmo anel, ou de um similar, por Truman, caiu no esquecimento como uma lenda. Isso até dezembro do ano passado, quando o anel de Truman foi descoberto. Um anel de prata, idêntico ao de Land, e cujas inscrições internas comprovam que havia sido um presente de Land para Truman.
.

Faça seu pedido desta Jóia em nosso Portal:

http://www.filhosdoarquiteto.com

19 de fevereiro de 2017

Dicas de Pai para Filhos - Papai Pop


DICAS DE PAI PARA PAIS 

A todos os Pais e Mães que adoram a tecnologia, que nos ajudam muito. Mas temos sempre algo a aprender principalmente para ensinar aos nossos Filhos. 


Lembremos que somos aprendizes do Universo, mas professores de nossa futura Geração. 


TFA

Corajosos País e Filhos Servem ao Senhor.


TRECHO DO FILME: Corajosos


"Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, esco­lham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha família servi­remos ao Senhor". (Josué: 24:15)

18 de fevereiro de 2017

Anel Maçônico Águia de Lagash - FAM060




Significado do Anel: 
.

A Águia, com as duas cabeças, representa as duas mentes, ou seja, a mente concreta, já plenamente desenvolvida pela humanidade, e a abstrata, propósito a ser atingido com a conclusão da atual 5ª Raça-Mãe, a Ariana.

A espada - arma de dois fios - presa nas potentes garras da Águia Bicéfala, representa, ao mesmo tempo, a Força, para se combater os inimigos da verdade, e a Sabedoria, para se fazer, acima de tudo, valer a justiça, o que pode ser corroborado pela tradução da inscrição latina na fita que a serpenteia: “Deus e o Meu Direito”.

A Águia Bicéfala, considerada por muitos um dos símbolos mais antigo do mundo, expressa o Poder e a Soberania. Esse símbolo, quando utilizado em uma Escola de Iniciação, como é o caso, na Maçonaria, permite, aos “que têm olhos de ver”, aos verdadeiros Iniciados nos Augustos Mistérios, quando contemplá-lo, adentrar em seus enigmáticos arquétipos, levando-os a imaginar que tal símbolo, ainda que intuitivamente, fora sabiamente escolhido para expressar a enorme riqueza contida nas entrelinhas dos excelsos ensinamentos do Rito Escocês Antigo e Aceito.


Adquira seu anel em nosso portal: 

http://www.filhosdoarquiteto.com


TFA

16 de fevereiro de 2017

Anel Mágico das Grandes Vibrações - FAM087





Anel Mágico das Grandes Vibrações - FAM087

SIGNIFICADO DO ANEL MÁGICO DAS GRANDES VIBRAÇÕES: 


Pentagrama: Considerado um símbolo muito poderoso de proteção e Equilíbrio, suas pontas representam os Cinco Elementos: Fogo, Ar, Água, Terra e o Unificador do Espírito representado por sua Ponta Acima das Outras. O pentagrama esta Ligado a Sefira Geburah na Ârvore da Vida, este é conhecido como a Estrela de Salomão especialmente é utilizado em Cerimônias e Magias. 

Delta/Iod: Triângulo equilátero símbolo da força expandindo-se no Universo, também conhecido como "O Olho que Tudo Vê" . Presente em vários ritos.

Bode/Baphomet: O termo se origina na Língua Persa, “magi” ou “magus”, que significa Sábio. Os considerados sábios (os homens perfeitos), no mundo persa, foram aqueles que eram capazes de traduzir os mistérios da natureza e sua relação direta com o Homem. Daí a relação da Magia com o Homem Perfeito.


TFA

10 de fevereiro de 2017

Jacques de Molay




Aos seus 21 anos de idade, Jacques DeMolay entrou para a Ordem dos Cavaleiros Templários. Estes eram uma organização sancionada pela Igreja Católica Romana de 1128, para proteger e guardar as estradas entre Jerusalém e Acre, um importante porto da cidade no Mar Mediterrâneo. A Ordem dos Cavaleiros Templários participou das Cruzadas, e conquistou um nome de valor e heroísmo.
Nobres e príncipes enviaram seus filhos para serem Cavaleiros Templários, e isso fez com que a Ordem passasse a ser muito rica e popular em toda a Europa.
Em 1298, Jacques DeMolay foi nomeado Grande Mestre dos Cavaleiros, uma posição de poder e prestígio. Jacques DeMolay assumiu o cargo após a morte de seu antecessor Teobaldo Gaudini no mesmo ano (1298).
Como Grande Mestre, Jacques DeMolay passou por uma difícil posição pois as cruzadas não estavam atingindo seus objetivos. O anticristianismo sarraceno derrotou as Cruzadas em batalhas capturando algumas cidades e portos vitais dos Cavaleiros Templários e os Hospitaleiros (outra ordem de cavalaria), restaram apenas um único grupo do confronto contra os Sarracenos.
Os Cavaleiros Templários resolveram se reorganizar e readquirir sua força. Eles viajaram para a Ilha de Chipre, esperando pelo público geral para levantar-se em apoio à outra Cruzada.
Em vez de apoio público; como sempre, os Cavaleiros atraíram a atenção dos poderosos Lordes. Em 1305, Filipe IV "o Belo", rei da França, resolveu obter o controle dos Templários para impedir uma ascensão no poder da Igreja. O Rei era amigo de Jacques DeMolay (um de seus filhos era afilhado de Jacques DeMolay, Delfim Carlos, que mais tarde se chamaria Carlos IV e seria rei da França). Mesmo sendo seu amigo, o rei da França com toda a sua ganância tentou juntar a ordem dos Templários e a ordem dos Hospitaleiros, pois sentiu que as duas ordens formavam uma grande potência econômica. Filipe IV sabia que a Ordem dos Templários, possuía várias propriedades e outros tipos de riqueza, doados pelos que um dia, haviam recebido a ajuda dos Templários em várias cruzadas pela Europa.

Sem obter o sucesso desejado, que era a de juntar as duas ordens e se transformar em um líder absoluto, o rei da França armou um plano para acabar com a Ordem dos Templários. Usando um nobre francês de nome Esquin de Floyran. O nobre francês teria como missão denegrir a imagem dos templários e de seu Grão Mestre Jacques DeMolay, e como recompensa Esquin de Floyran receberia terras pertencentes aos Templários logo após derrubá-los.

O ano de 1307 viu o começo da perseguição aos Cavaleiros. Apesar de possuir um exército com cerca de 15 mil homens, Jacques Demolay havia ido a França para o funeral de uma Princesa da casa Real Francesa e havia levado consigo poucos homens, sendo esses todos nobres. Na madrugada de 13 de outubro Jacques DeMolay, juntamente a seus amigos, foram capturados e lançados nas masmorras pelo chefe real Guilherme de Nogaret (este era um de seus conselheiros) .
Durante sete anos, Jacques DeMolay e os Cavaleiros sofreram torturas e viveram em condições subumanas. Enquanto os Cavaleiros não se dobravam, Filipe IV gerenciava as forças do Papa Clement para condenar os Templários. Suas riquezas e propriedades foram confiscadas e dadas a proteção de Filipe.
Após três julgamentos, Jacques DeMolay continuou sendo leal para com seus amigos e Cavaleiros. Ele se recusou a revelar o local das riquezas da Ordem, e recusou-se a denunciar seus companheiros. Em 18 de Março de 1314, ele foi levado à Corte Especial. Como evidências, a Corte dependia de confissões forjadas, supostamente assinadas por Jacques DeMolay. Ele desmentiu as confissões forjadas. Sob as leis da época, a pena por desmentir uma confissão, era a morte. Jacques Demolay foi julgado pelo Papa Clemente, e assim como Jacques Demolay, outro Cavaleiro, Guy D'Auvergne, desmentiu sua confissão e ambos foram condenados . O Rei Filipe ordenou que ambos fossem queimados naquele mesmo dia, e deste modo a história de Jacques DeMolay se tornou um testemunho de lealdade e companheirismo. Demolay veio a falecer aos seus 70 anos de idade no dia 18 de Março de 1314.



Jacques DeMolay durante sua morte na fogueira intimou aos seus três algozes, a comparecer diante do tribunal de Deus, amaldiçoando os descendentes do Rei da França, Filipe o Belo. O primeiro a morrer foi o Papa Clemente V, logo em seguida o Chefe da guarda e conselheiro real Guilherme de Nogaret e no dia 27 de novembro de 1314 morreu o rei Filipe IV com seus 46 anos de idade.



Grão-Mestrado
Jacques DeMolay assume o mestrado da ordem em 1295, não se sabendo no entanto a data exata da sua eleição. Será eleito em detrimento de outra figura de peso dentro da ordem, Hugues de Pérraud, sobrinho do visitador do templo em França.
No inicio do seu mestrado é conhecido pela sua ação a favor de uma nova cruzada, desenvolvendo uma campanha diplomática na França,Catalunha, Inglaterra e na Itália junto ao papado. Esta campanha visou não só resolver problemas internos que a ordem tinha, como também problemas locais, sendo resolvidas diversas disputas entre a ordem e bispos e também no sentido de pressionar as coroas e a Igreja a uma nova cruzada.
Organiza a partir da ilha de Chipre ataques contra as costas egípcias e síria para enfraquecer os mamelucos, providencia apoio logístico e armado à Pequena Armênia, chega a intentar uma aliança com o Canato da Pérsia sem resultados visíveis. Outro assunto que será discutido durante o seu mestrado na ordem será o da fusão entre as duas maiores ordens militares, a do Templo e a do Hospital numa só. A Ordem do Templo com a perda de Acre começava a ser questionada quanto à razão da sua existência, as suas funções de proteger osperegrinos e de defender a Terra Santa tinham cessado quando retiraram para a ilha de Chipre. Jacques DeMolay em Maio de 1307 em Poitiers, junto do papa Clemente V conseguira apresentar uma defesa contra esta fusão e ela não se realizara.



A Prisão e o Processo
Na sexta-feira de 13 de Outubro de 1307, os templários no reino da França são presos em massa por ordem de Filipe, o Belo. O grão-mestre Jacques DeMolay é capturado em Paris. Imediatamente após a prisão, Guillaume de Nogaret proclama publicamente nos jardins do palácio real em Paris as acusações contra a ordem.

Esta manobra régia impedira o inquérito pontifício pedido pelo próprio grão-mestre, o qual interno à Igreja, discreto e desenvolvido com base no direito canônico, emendaria a ordem das suas faltas promovendo a sua reforma interna.
A prisão, as torturas, as confissões do grão-mestre, criam um conflito diplomático com a Santa Sé, sendo o papa o único com autoridade para efetuar esta ação. Depois de uma guerra diplomática face ao processo instaurado contra a ordem entre Filipe, o Belo e Clemente V, chegam a um impasse, pois estando o grão-mestre e o Preceptor da Normandia, Geoffroy de Charnay sob custódia dos agentes do rei, estão no entanto protegidos pela imunidade sancionada pelo papa e absolvidos não podendo ser considerados heréticos.
Em 1314 o rei pressiona para uma decisão relativa à sorte dos prisioneiros. Já num estado terminal da sua doença, com violentas hemorragias internas que o impedem de sair do leito, Clemente V ordena que uma comissão de bispos trate da questão. As suas ordens seriam a salvação dos prisioneiros ficando estes num regime de prisão perpétua sob custódia apostólica e assegurando ao rei que a temida recuperação da ordem não será efetuada. Perante a comissão Jacques de Molay e Geoffroy de Charnay proclamam a inocência de toda a ordem face às acusações dirigidas a ela, a comissão pára o processo e decide consultar a vontade do papa neste assunto.



Ao ver que o processo estava ficando fora do seu controle e estando a absolvição da ordem ainda pendente, Filipe, o Belo decide um golpe de mão para que a questão templária fosse terminada, ordena o rapto de Jacques de Molay e de Geoffroy de Charnay, então sob a custódia da comissão de bispos, e ordena que sejam queimados na fogueira na Ile de la Cité pouco depois das vésperas em 18 de Março de 1314.
Com isso Jacques DeMolay passou a ser conhecido como um símbolo de lealdade e companheirismo. Pois ele preferiu morrer a entregar seus companheiros ou faltar com seu juramento. E por esse motivo o Maçom Frank Sherman Land veio a fundar a Ordem Demolay, usando seu nome como mártir e exemplo a ser seguido.

Biografia e Pesquisa:
Barbara Frale. Os Templários, Edições 70, Lisboa, 200

7 de fevereiro de 2017

ÁFRICA - ORIGENS DA MAÇONARIA:



“Por mais que busquemos, só encontramos a nós mesmos” - Anatole France.

Conhecer a exata origem da Maçonaria é o único caminho que pode nos levar à compreensão verdadeira do que significa ser um legítimo Obreiro da Arte Real.


Para muitos, nossa Sublime Ordem surgiu apenas no início do século XVIII, precisamente em 24 de Junho de 1.717. As quatro lojas de Londres, que tinham seus nomes associados às tavernas nas quais se reuniam – Macieira, Cervejaria da Coroa, Ganso; Grelha e Taças & Uvas –, formalizaram sua união criando aquela que ficaria conhecida como Grande Loja Unida da Inglaterra. As Sessões ocorriam uma vez ao ano, regadas a muita guloseima, uísque e tabaco, geralmente direcionadas exclusivamente a novas iniciações. Eram “reuniões de cavalheiros”, chamadas de clubes de almoço por parte da sociedade, sem nenhuma conotação solene, esotérica ou filosófica.


Por aproximadamente sessenta anos os Irmãos ingleses se reuniam apenas em tavernas e, eventualmente, utilizavam espaços de associações empresariais. Só em 1.776, na Great Queen Street, foi inaugurado o primeiro salão maçônico, que passou à História como sendo nosso primeiro Templo. Reformado e ampliado até 1.828, tinha várias salas e reunia diversas lojas. Este foi o início visível dos trabalhos, com registros e documentos oficiais que comprovam inexoravelmente tais acontecimentos.


No entanto, se desejarmos ir além – como todo bom Maçom - para entender quando, realmente, os elementos seminais que geraram o nascimento de nossa Ordem se cristalizaram nas almas dos pioneiros, precisamos realizar uma meditação adicional. 


Falar de Maçonaria apenas a partir de 1.717 reduz sobremaneira nossa epopéia. Equivale a considerar a história da Humanidade a partir do advento da escrita, ocorrida na Mesopotâmia, há apenas 4.000 anos a.C..


A gênese legítima de nossos princípios, de nossa doutrina, e das bases que fundamentam a verdadeira Ars Regia, se perde no longo curso da História. Os fenômenos místico-culturais que nos unem, enquanto escola filosófica com caráter iniciático, indicam que nossa Fraternidade pode ter surgido muito tempo antes, na cronologia humana, do que supõe a ortodoxia tradicional. Esta hipótese, extremamente intrigante e complexa, constitui o ponto de partida para nossa breve aventura no tempo, em busca das verdadeiras origens de nossa Sagrada Ordem.




ÁFRICA, JUSTA E PERFEITA:

Há cerca de três milhões de anos, no auge do período Paleolítico, uma pequena comunidade de hominídeos composta por 20 ou 30 indivíduos da espécie Pithecantropus erectus ocupava uma pequena planície do Serengueti, na atual Tanzânia. Por incontáveis gerações, seguiam a mesma rotina. Chegando à caverna após um árduo dia de caça e coleta, os homens permaneciam em silêncio, arfando devido ao calor. As mulheres tagarelam entre si uma linguagem arcaica que mistura estalidos e fonemas primitivos. O fruto do trabalho jaz ali ao lado: um javali abatido e alguns tubérculos amarelados. Os mais jovens haviam passado há poucos dias pela cerimônia de Iniciação, a porta de entrada a um novo mundo, ao universo dos adultos, dos grandes guerreiros e caçadores poderosos. Tais eventos eram marcados por diversas provas, como a da terra – rastejar pelas dunas - , da água – mergulhando fundo no lago Tanganyka - , do fogo – andar em brasas – e , logicamente , do sangue – derramar ritualisticamente o sangue da primeira presa abatida, devolvendo à Gaia ou Mãe-Terra um pouco do que ela tanto fornece aos homens.

Defronte a entrada do abrigo, todos se sentam no verde gramado que adorna o ambiente. Observam, atentamente, o lento e preguiçoso ocaso do dia que paulatinamente se precipita no horizonte, a oeste. Os animais da noite começam a sair das tocas . Uivos são ouvidos. O farfalhar distante das matas anuncia o início do domínio das trevas sobre a natureza. O vento sul-sudeste soa mais forte. Os mais velhos trocam olhares entre si, com pequenas nuanças revelando a apreensão iminente. Como seres do dia, todos temem a chegada da noite. Com ela, os três grandes inimigos passam a ocupar a arena universal que a todos vai envolvendo: a escuridão, o frio e a ameaça dos predadores.

Discretamente, os bravos vão se aninhando em torno de um arranjo de gravetos, folhas e pequenos troncos. Somente um deus poderia protegê-los destes perigos. Fogo. É isso que todos mentalizam neste momento. É o salvador, o redentor, aquele que afugenta todos os males da noite. Tal qual o Sol , que reina triunfante durante o dia, os guerreiros sabem que apenas o fogo pode protegê-los pelas próximas horas.

O xamã, com duas pedras em atrito, realiza a mágica da incandescência, no centro da formação semicircular. Imediatamente os mais experientes transcendem seus pensamentos, observando as brasas escaldantes. Fixando seus olhares na luz irradiante, sentem a presença, no ponto central, da idéia de Divindade, do incompreensível ou intangível - aquela partícula que seria a origem e a razão da existência de tudo. Também a existência da porção não-material que forma os seres, a alma ou psy-khe, que Platão (427-347 a.C.) tão bem estudou, marca sua posição em meio às labaredas. Durante o dia estas grandezas caminham junto ao Sol invencível, o deus-pai. Ao cair da noite, o grande soberano se retira para o mundo das trevas, deixando apenas um lampejo protetor remanescente nas chamas, personificando a luz que protege e guarda.

Após breves instantes de contemplação silenciosa, todos se levantam e começam a caminhar em volta da fogueira, em uma circunvolução ritualística, no sentido horário, acompanhando o giro da Terra. Imploram pela ressurreição do Sol. Em volta, no horizonte, as doze constelações se postam formando a vista de 360º, tal quais as doze colunas representando o zodíaco. No alto, a cúpula ou abóbada celeste a todos cobria , protegendo e estabelecendo o vínculo sagrado com o infinito.

Todos ali eram irmãos, na mais terna concepção da palavra. A leal fraternidade os tornava solidários entre si, prontos a derramar o próprio sangue pelos mais fracos do grupo. Para evitar a intromissão de elementos de outros clãs, estabeleciam sinais e toques próprios, que permitiam a rápida identificação dos familiares. De todos era exigida a mais reta conduta social, de acordo com os princípios morais da época. 

Sabemos que na aurora do Homem a existência era tênue e fugaz. A expectativa de vida era curta, os riscos de morte ocorriam a cada minuto e as perspectivas de um futuro promissor beiravam a ficção. A extinção muitas vezes parecia uma certeza. Somente um poderoso espírito de luta, de coragem e de extrema valentia poderia ter garantido a sobrevivência desta espécie, fisicamente tão frágil, mas que estava fadada a sobrepujar todo o planeta, alguns milhões de anos mais tarde.





HISTÓRIA E EVOLUÇÃO:

Por volta de 1.980 uma polêmica teoria foi comprovada. Cerca de 65 milhões de anos atrás findava a era dos dinossauros, com a queda de um meteoro próximo à península de Yucatán, no atual México. Este impacto gerou um verdadeiro apocalipse na Terra, com fogo, frio e fome generalizados. Quase toda forma de vida foi exterminada, de todos os reinos. A idade dos mamíferos ganhava força e vigor a partir de então, livres do domínio dos gigantes extintos. Se não fosse esta extinção em massa do final do Cretáceo (período da era Mesozóica iniciado há 145 milhões de anos atrás e terminado com a hecatombe do meteoro) , os mamíferos ainda seriam um insignificante grupo de quadrúpedes com vida rasteira.

De pequenos roedores e habitantes de tocas, a evolução caminhou a passos largos, criando grande diversidade de organismos. No curso deste processo, há cerca de sete milhões de anos, os primeiros hominídeos ( dos gêneros Sahelanthropus, Ardipithecus e Australopitecus) começaram a florescer nas savanas africanas. Certamente estes primeiros bípedes, dedicados exclusivamente à coleta de vegetais, mariscos e restos de carcaças de animais abatidos por predadores melhor equipados, já começavam a elaborar os primeiros raciocínios questionando as grandes dúvidas que ainda hoje nos acompanham. Morte, dor, sofrimento, finalidade da existência e a busca pelas origens da espécie e da própria vida, já inquietavam nossos bravos antepassados. Deste ponto para o surgimento do pensamento místico, foi um pequeno passo.

A busca pelo Sagrado e pelos mistérios do mundo subterrâneo, pelo entendimento do inconsciente e pela interpretação metafísica dos fenômenos naturais já incentivava a realização de cultos aos mortos, cerimônias ritualísticas iniciáticas e ritos de passagem. As pesquisas arqueológicas identificaram pétalas de flores, objetos simbólicos e pedaços de ossos de animais no interior de sepulturas do período Paleolítico. Pinturas rupestres em cavernas representam misticamente os animais, numa tentativa de dominar espiritualmente suas almas e facilitar as caçadas. Esculturas simbolizam esta ânsia pelo transcendente, como a “Vênus de Willendorf” que data do Paleolítico superior. Nesta fase, várias espécies de hominídeos coexistiam no continente africano, isoladas pelos acidentes naturais.

Os bravos Homo sapiens ou homens modernos, exatamente idênticos a nós, surgiram por volta de 150.000 anos atrás. Com a estiagem que se abateu nas zonas tropicais, foram obrigados a emigrar da aconchegante África para todos os continentes. Chegaram ao extremo oriente, pelos caminhos da costa da Península Arábica e Índia, e se fixaram na Oceania. Atingiram as estepes da Ásia ocidental, da Rússia e da China. Dominaram a Europa que estava mais aquecida, devido ao recuo das geleiras, dizimando os “primos” Neandertalhensis e, no início do final da glaciação, há 26.000 anos, se tornaram a única espécie humana existente.




A ETERNA BUSCA DA VERDADE:

O Homem não conhece sua origem, nem seu futuro. Não sabe a razão de aqui estar, qual seu objetivo no Cosmos, e muito menos o que realmente é. Este drama é um dos pontos fundamentais da ciência especulativa. Todos se inquietam com estas questões, em um ou outro momento da vida.

Desde os primeiros passos em solo africano, quando a linguagem era rudimentar, e a escrita um esboço disforme, estas dúvidas viscerais acompanham inexoravelmente as almas daqueles que voltavam seus olhos para o universo tentando enxergar além do visível.

Pior que ignorar completamente o nosso surgimento ou o que somos, é desconhecer o porquê da dinâmica evolutiva ter nos tornado diferentes de todos os outros animais: não somos dominados exclusivamente pelos instintos primários. Necessitamos pensar, questionar, entender e justificar a nossa e toda natureza que existe. Isto não nos coloca acima nem abaixo das outras espécies em qualquer escala de valoração considerada. Apenas temos uma profunda dor e angústia em nossas almas, que outros seres feliz ou infelizmente não apresentam.

Ao partirmos para este campo obscuro da linguagem e da cultura, nos são exigidos recursos de tolerabilidade para com o desconhecido e de confiança nas próprias condições de aceitar a infinitude que se apresenta. Para isso, é preciso ter consciência que convivemos com duas realidades distintas e complementares: confrontamos nossa impressão do mundo consciente, a chamada realidade sensível, com uma zona de trevas, de mistérios e total desconhecimento. Esta face mais profunda de nossa psique, a que temos acesso apenas quando estamos inconscientes, em estados alterados da consciência ou após a morte, nos fascina e perturba.

O mundo dos mortos, do subterrâneo, dos labirintos, é a arena onde encontramos nossos maiores medos e fraquezas. Seus mistérios são um total enigma e motivo de infinitas especulações por parte dos grandes pensadores. Inacessível à maioria, só pode ser alcançado por mecanismos específicos que permitam sua revelação – como sistemas filosóficos, místicos, religiosos ou contemplativos. Tais instrumentos são essenciais ao nosso equilíbrio, ao Self, uma vez que não temos como fugir desta aguda necessidade de conviver com estes aspectos contraditórios da condição humana. Nossos deuses e demônios atuam de maneira aleatória e conjunta, em uma alquimia incondicional que pode nos levar à completa harmonia ou ao caos irreversível.

Uma das formas de elaborar estes dramas existencialistas foi a construção dos Arquétipos, comuns em todas as culturas. Surgidos nos tempos imemoriais, durante as meditações realizadas em cavernas iluminadas a fogueiras, se mantém com a mesma força e vigor em pleno século XXI. Definidos como formas imateriais às quais os fenômenos psíquicos tendem a se adaptar, são chamados também de imagens primordiais, pois podem sofrer pequenas variações epidérmicas, mas na essência mantém um padrão uniforme, praticamente invariável.

Quando constituídos por modelos de narrativas que eternamente se repetem, comuns em todas as culturas e épocas, temos os Mitos. Tais figuras de linguagem possibilitam interpretar os maiores mistérios da alma humana, de forma dinâmica, através de roteiros dramáticos repletos de simbolismos. São ferramentas poderosas que nos orientam perante as grandes questões que se apresentam, explicando a razão e aliviando grande parte das agonias que dilaceram o mais íntimo de nosso ser. Como grandes exemplos existem os Mitos sobre a origem e destruição de tudo, os relativos ao tempo e eternidade, os de morte e ressurreição, os de renascimento e renovação e os de transformação.

As cerimônias de Iniciação, por exemplo, são ritos de transformação. Como todo processo de mudança, de metamorfose, não há retorno. Transposto o portal que transmuta o indivíduo, o iniciado jamais será o mesmo. O neófito morre para uma realidade e renasce em outra dimensão. Daí a irreversibilidade do ritual. Vivenciando na plenitude estas experiências de transformação, melhoramos a maneira de lidar com nossa interioridade e com as contradições que nos afligem, enquanto seres livres de pensamento.

Outra manifestação muito freqüente junto às comunidades esotéricas são as jornadas mitológicas de morte e ressurreição. Estas narrativas são aquelas na qual o herói morre e ressuscita, descendo ao mundo dos mortos e retornando são e salvo. Possibilitam aos protagonistas, quando corretamente elaboradas, tatear sutilmente o mundo que pertence às divindades. Estas entidades, que traduzem nossos temores, idéias e sentimentos mais profundos, habitam outros planos, aos quais os homens normalmente não tem acesso. Expondo suas vontades divinas aos mortais, estas desventuras nos apresentam, em última análise, as várias facetas da própria personalidade humana. Assim, com o renascimento se vence o maior dos medos – a morte – e se atinge o absoluto em vida. O contato entre os mundos ocorre exclusivamente através destas metáforas - não há outro canal que viabilize esta experiência transcendental ou mística. 

Em nossos rituais, nos Graus Simbólicos, utilizamos exatamente estes instrumentos mitológicos de busca do absoluto. Interpretamos e vivenciamos uma série de situações arquetípicas, que subsistem no inconsciente coletivo desde o princípio dos tempos. Este é o traço comum que nos une aos ancestrais da África e às comunidades basilares de toda nossa cultura. Todos sofremos as mesmas angústias e dúvidas existenciais, e somos irmãos fraternos nesta experiência dramática.


GM W. C. Parker Jr., da MW Prince Hall GL da Carolina do Norte



CONCLUSÃO:

Assim como a personalidade humana, a Maçonaria apresenta duas perspectivas distintas de trabalho ou elaboração da realidade. Temos por um lado o universo visível, voltado para a materialidade dos conceitos e para o consciente, representado pelas alegorias e adereços em si, como o próprio Templo, os paramentos, a documentação formal. Este conteúdo pode efetivamente ter surgido a partir de 1.717, ou mesmo nas guildas medievais de “pedreiros”, ou até nas névoas da Lenda de York, de 926 a.D.

Por outro lado, temos o chamado universo das sombras, do imponderável, representado pelos grandes mistérios da alma, das profundezas do ser, do real significado dos símbolos que utilizamos. Complementa o status visível em uma mística alquimia, possibilitando a evolução do processo de transformação rumo à perfeição. Adentrando a este campo transcendental, enfrentamos nossas maiores dúvidas existenciais, trazendo-as à tona, à luz do consciente e da sabedoria, o que possibilita que conheçamos a nós mesmos.
A verdadeira substância da Arte Real se encontra exatamente nesta área não material, que se cristaliza no plano intangível das idéias, dos conceitos arquetípicos e ritualísticos que surgiram na alvorada do Homem, quando as necessidades imemoriais que todos manifestam começavam a florescer.

Com certeza a psique humana não surgiu juntamente com a diferenciação fenotípica dos Homo sapiens. A evolução é um processo contínuo, e uma nova espécie é produto da seqüência de transformações de tipos anteriores. Portanto , quando nos olhamos no espelho, podemos vislumbrar no infinito atrás de nós uma fila indiana imensa, cujos últimos indivíduos se encontram nas escalas iniciais do longo processo evolutivo de nossa jornada na Terra.

Concluímos que a extraordinária jornada dos filhos de Hiram se iniciou quando surgiram os rituais mitológicos, com profundo teor esotérico. Estes mistérios existem, são perenes e fazem parte, inexoravelmente, da alma humana - seja em uma tribo esquecida no coração da África pré-histórica, seja em um vistoso Templo operando em qualquer oriente do Universo.


REFERÊNCIAS:

1- Arsuaga, J.L. “Colar do Neanderthal: em Busca dos Primeiros Pensadores” 1ª Edição, Editora Globo, 2005;
2- Campbell, J. “Máscaras de Deus – Mitologias Primitivas”, 7ª Edição, Editora Palas Athena, 2005;
3- Campbell, J. “O Poder do Mito”, 1ª Edição, Editora Palas Athena, 1990;
4- Carvalho, I.S. “Paleontologia”, 2ª Edição, Editora Interciências, 2004;
5- GLESP – “Ritual do Simbolismo do Aprendiz Maçom”, 2.001;
6- Johanson, D.C. “Filhos de Lucy – A Descoberta de um Ancestral Humano” 1ª Edição, Editora Bertrand Brasil, 19
98.



Pesquisa e Ilustrações: Ir Daniel Martina Frc

6 de fevereiro de 2017

O Iluminismo e a Maçonaria



As idéias prevalentes e obsoletas da Idade Média, conhecida como “A Noite dos Dez Séculos”, levaram no início do Século XVII o surgimento na Europa de um movimento renovador de toda cultura da época, como reação ao considerado atraso de quase todo conhecimento então existente.

Essa plêiade de novos pensadores espalhada por quase todo continente europeu, voltava-se contra o tradicionalismo que viera da então Era Medieval e grilhões do absolutismo da realeza, como também os benefícios que eram outorgados aos membros do clero e nobreza.

Os freios para evolução da inteligência precisavam ser arredados, por que o Homem deveria pensar e governar-se pela Razão; livrar-se das restrições impostas pela Inquisição e buscar seu próprio destino livre de opressão.

Poderia acreditar naquilo que sua inteligência explicasse independentemente de religiosidade ou mesmo fé. Teria liberdade de desacreditar naquilo que lhe foi imposto outrora, ou, simplesmente, questioná-lo.

A Razão seria a bússola de sua vida, substituindo toda crença religiosa para abrir caminho a uma Nova Era de intelectualidade, gerando progresso material e moral, em oposição aos mesquinhos tempos da Idade Média.

Toda essa evolução filosófica, científica, artística, moral e religiosa, tomou o nome de Iluminismo, ou, “Século das Luzes”, como contestação “A Noite dos Dez Séculos” ( 476-1476 ), face a pobreza cultural daqueles tristonhos tempos. Iluminismo, porque concedia luz à escuridão, marca do atraso de mentalidade da Idade Média. A doutrina iluminista preconizava que o Homem nasce puro, com bondade, e é a própria sociedade que o corrompe. Se houver Justiça Social, pouca desigualdade na comunidade, econômica, moral e de costumes, a paz virá, como consequência, e a felicidade aflorará para o bem de todos.

A liberdade seria exercida com responsabilidade para o bem comum. Eram, em linhas gerais, os postulados do Iluminismo. Filósofos, políticos e cientistas, integravam esse cenário, surgindo, daí, várias correntes ou vertentes dessa política social que se instalou, em última análise, em nome da liberdade de pensar, com o propósito de progresso cultural e de espírito. Aliás, esses ideais de avanço cultural já vinham sendo desenvolvidos desde a Renascença que mais tarde também contribuiu para deflagrar a Revolução Francesa de 1789. O filósofo René Descartes prestou significativa contribuição a esse empreendimento intelectual, com seu adágio – cogito ergo sum – (penso, logo existo), pensamento puramente racionalista.

Outras importantes figuras intelectuais do Século XVII foram iluministas, como Galileu Galilei, Francis Bacon, Thomas Hobbes, René Descartes, Baruch Spinoza, John Locke, Isaac Newton, Voltaire, Montesquieu, Rousseau, Kant, Adam Smith e tantos outros do mesmo quilate. Esse movimento, entretanto, começou a perder força, mais ou menos, no começo do Século XIX, com o advento de novas doutrinas e ao tempo das guerras napoleônicas 1804-1815.


Embora uma parte dos iluministas pregasse o ateísmo, a maioria acreditava na existência de um Ser Supremo do Universo, princípio admitido pela Maçonaria que foi muito influenciada por essa elite erudita. A religião poderia ser cultivada por cada um, sendo mera faculdade, e, sendo aceita, como efeito, a vida espiritual continuaria após a morte do corpo físico.






Era o que a maioria entendia do aspecto divino. E foi nesse ambiente de sabedoria que começou a surgir a Franco-Maçonaria no começo do Século XVII, cujos maçons vieram das fileiras do Iluminismo trazendo doutrinas daquele momento histórico para oxigenar a Maçonaria Tradicional ou Simbólica, as chamadas Lojas Azuis.
Registra a História que as dificuldades da Ordem Operativa em meados do Século XVII, em especial na Inglaterra, ensejaram sérias consequências para as guildas, chegando à decadência ou mesmo à extinção.

Como medida de sobrevivência, o sistema maçônico daqueles tempos passou a recrutar membros da intelectualidade, nobreza e de posses econômicas, sem que antes tivessem integrado o artesanato, ou seja, a maçonaria primitiva.

Consolidou-se, assim, no Século XVIII (1717-1724), a Franco-Maçonaria composta por cérebros que não faziam parte da Instituição do Artesanato, porém eram dotados de requisitos morais, intelectuais e econômicos, sendo aceitos pelos IIr. operativos que simbolizavam o passado maçônico.

Esses IIr. foram chamados de “aceitos”, que mais tarde o REAA acolheu essa nomenclatura. Estabeleceu-se, entretanto, que seria a mesma maçonaria, apenas com departamentos próprios, mas com a mesma substância, como sendo frente e verso de uma mesma moeda. Estava, pois, implantado o departamento especulativo ao lado do outro operativo. Mas a unidade da Ordem foi preservada em todos os sentidos.

Pois bem, com o ingresso desse IIr.’. “aceitos”, oriundos em grande parte do Iluminismo, a influência era mesmo de se esperar na Instituição, especialmente no âmbito especulativo, geomântico ou ainda teórico.

Não demorou muito e nasceram os Altos Graus, de 4 a 33 no REAA, sendo que para alguns especialistas o Grau 3 (Mestre-Maçonaria Azul ) foi criado em 1725, pouco depois da Constituição do Bispo Anglicano James Anderson de 17 de janeiro de 1723.
Os Landmarks, por sua vez, foram estudados, classificados e ordenados por diversos estudiosos maçônicos, até que em meados do Século XIX, Albert Galletin Mackey – 1807-1881, compilou-os, formando uma Super-Constituição Maçônica Universal, no nosso modesto entendimento. É, sem dúvida, a codificação mais aceita pelas diversas Obediências com os 25 princípios imutáveis e inalteráveis.

A influência do Iluminismo na Maçonaria é evidente, principalmente, quando examinamos os artigos 6′ ao 8′, que versam sobre as prerrogativas do Grão-Mestrado.
Trata-se de matéria atinente a Administração da Entidade que, em caso excepcional, pode o Grão-Mestrado autorizar a proposta e recepção do candidato ali mencionado. Essa prerrogativa emana da experiência dos políticos de Iluminismo que ingressaram na Ordem, objetivando, em tempos conturbados, que a direção tenha instrumentos eficazes para debelar, ou pelo menos, minimizar as dificuldades momentâneas.

A faculdade de representação (art. 12) é outro avanço da época iluminista, conferindo ao obreiro esse direito quando necessitar de auxílio técnico ou para outros fins de seu interesse. O direito recursal (art. 13) foi inspirado no modelo profano e visa eventual correção da decisão impugnada a ser reexaminada pelo órgão superior.





Em última análise, é resquício da doutrina contra o despotismo de que tratamos no início desta dissertação e a igualdade de todos os maçons no interior da Loja (art.22) origina-se do sentimento democrático, defendido pelo movimento iluminista de combater a descriminação.

O princípio da Separação dos Poderes na Instituição Maçônica é cópia do modelo de Montesquieu, renomado iluminista. – “Esprit des Lois”. Criou esse sistema de Poderes do Estado, em Legislativo, Executivo e Judiciário – arts. 35, 70 e 97 – da Constituição do Grande Oriente do Brasil, dentre outros diplomas das várias Potências, cada um com atribuições previstas em lei.

Mas de todas as influências iluministas na Ordem Maçônica, a que mais se destaca é seu Departamento Especulativo. Introduziu-se o estudo profundo filosófico, simbólico, esotérico, metafísico, espiritual e histórico, além de outros ramos do conhecimento humano.

A maçonaria tradicional ou clássica ficou limitada ao simbolismo básico e o início de alegoria da lenda de Hiran Abiff. Esses são apenas alguns enfoques iluministas adotados pela Instituição. O certo é que o Iluminismo trouxe grande contribuição para o progresso maçônico, intelectual, espiritual material. É o que se conclui do exame do tema em foco!




Enviado pelo Ir.’. José Geraldo de Lucena Soares
ARLS – Fraternidade Judiciária Nº 36l4 – GOSP/GOB
Capítulo “Integração e Prudência” – SP